quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Mel Gibson em queda livre
Abril de 2004. Lançamento do polêmico filme “A Paixão de Cristo”. Depois de causar muito burburinho e gerar acusações de anti-semitismo, o filme se torna um enorme sucesso de bilheteria. O público evangélico atende às exibições em massa e muitas igrejas passam a usar o filme como ferramenta evangelística.

O diretor e produtor Mel Gibson, nunca gozou de tanta aceitação e admiração no mundo inteiro. Gibson um católico fervoroso e radical, casado por mais de duas décadas com a mesma mulher e pai de sete filhos, conquistou a aprovação de toda a comunidade evangélica mundial e chegou a ser visto como “profeta” por alguns mais entusiasmados. O filme “A Paixão de Cristo” torna-se um dos maiores sucessos de bilheteria da história do cinema, gerando lucros astronômicos para Mel Gibson, que investiu dinheiro do próprio bolso na produção.

Não faz assim tanto tempo, Mel Gibson era figurinha carimbada nas conversas de pizzaria depois dos cultos noturnos. Em 2004 a primeira pergunta que se fazia ao encontrar um irmão de fé era “você já viu o filme? “ Recusar-se a assistir “A Paixão de Cristo” ou atrever-se a criticá-lo era quase que considerado uma heresia. E falar mal de Mel Gibson também. De repente ele virou santo e mesmo a sua ligação com a fé católica passava despercebida. Lembro-me bem que quanto eu falei que o filme não era uma obra evangelística, fui também criticado e até chamado de herege. Quando lembrei o histórico de bebedeiras e farras de Mel Gibson, parecia que eu estava falando mal de um bispo de alguma igreja evangélica.

E o curioso, é que no final das contas, eu até gostei bastante de “A Paixão de Cristo” e sempre fui admirador de Mel Gibson. Achei o citado filme, uma obra bem interessante e ousada, talvez ultra-realista e de visão estreita, mas tecnicamente muito bem realizado. Só não concordei com toda a sacralização que fizeram com a película. Estava claro para mim que Gibson queria apenas realizar uma obra cinematográfica. Além disso, achei que foi dada excessiva importância ao sofrimento físico de Jesus, quando seu verdadeiro martírio se deu na dimensão espiritual, quando Ele levou sobre si todos os nossos pecados.

Em 2006, depois de 26 anos de casamento, Gibson se separou de sua esposa. Ainda em 2006, Gibson, foi preso por dirigir embriagado. E como se não bastasse, ainda fez comentários anti-semitas para os policiais que o prendiam. Muito inteligente da parte dele… Desde então o ator/diretor/produtor tem frequentado os noticiários policiais e sites de fofoca quase que diariamente. Gibson, depois da separação, virou um mulherengo compulsivo e até teve um caso com uma atriz pornô recentemente.

Agora em 2010, ele chegou ao fundo do poço. Foram divulgadas gravações de ataques de fúria de Mel Gibson contra sua então namorada, a cantora russa Oksana Grigorieva, com quem inclusive ele tem uma filha. As gravações são de arrepiar; tem-se a impressão de que a pessoa ao telefone é um maníaco descontrolado, capaz de qualquer coisa. Gibson trata Grigorieva como se ela fosse lixo e sem a menor consideração. Nem é necessário dizer que as fitas foram executadas nos telejornais das principais redes mundiais, pintando uma imagem de Gibson bastante diferente daquela de 2004. Grigorieva agora está acusando Mel Gibson de violência doméstica e até divulgou uma foto onde aparece com hematomas e alguns dentes quebrados, ferimentos supostamente causados por Gibson.

Acho que vários capítulos ainda vão se desenrolar nessa trama e ninguém sabe como isso tudo vai terminar, mas de fato mesmo, só o prejuízo para a reputação de Mel Gibson, que já não era assim tão boa. E agora apareceram rumores de que o antes multimilionário ator está enfrentado sérios problemas financeiros.

Mel Gibson deveria se lembrar de 2004 quando passou a maior parte de seu tempo pesquisando e pensando sobre Jesus Cristo. Só que agora, e mais do que nunca, ele precisa de um envolvimento direto e pessoal, não apenas no âmbito artístico. Só assim Mel Gibson poderá reverter essa fase de queda livre em que se encontra.

Fonte;Leon Neto,Folha gospel.

Um comentário:

Erlon Andrade disse...

Só devemos recordar o seguinte: O filme a paixão de Cristo não retrata a realidade de Jesus em seu sofrimento, mas sim a realidade de um cineasta que querendo colocar sua ira interior para fora, achou na figura ou melhor no personagem de Jesus a melhor maneira. Fez o que quis com Cristo, o maltratou, deixou o corpo em carne viva de tanta chicotada, além do braço quebrado, e a cruz que caiu. Entretanto ninguém zomba de Deus, e hoje está aí o resultado. Para alguns é apenas momentos que todos nós passamos, para outros é a mão de Deus.
Prefiro a segunda opção.